2015

Livros lidos em 2015, por ordem de leitura (dos mais antigos para os mais recentes) com links para aqueles que tiveram resenha no blog ou canal do Youtube. Estão apenas links para resenhas específicas dos livros, não há referência a mini-resenhas publicadas em retrospectivas do mês ou em posts temáticos. Livros com os títulos da edição lida. No caso de livro lido em língua estrangeira, o título traduzido se encontra entre parênteses.

Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

Landline, de Rainbow Rowell (Ligações)

Yes, Please, de Amy Poehler

Salt, sugar, fat, de Michael Moss

The talented Mr. Ripley, de Patricia Highsmith (O talentoso Ripley)

O barão nas árvores, de Italo Calvino

Cada homem é uma raça, de Mia Couto

Um, dois e já, de Inés Bortagaray

A visit from the goon squad, de Jennifer Egan (A visita cruel do tempo)

A room of one’s own, de Virginia Woolf (Um teto todo seu)

Contos de auto-ajuda para pessoas excessivamente otimistas, de Luis Fernando Amâncio

O caderno rosa de Lori Lamby, de Hilda Hilst

Little women, de Louisa May Alcott

A paixão pelos livros, organizado por Martha Ribas e Júlio Silveira

Far from the madding crowd, de Thomas Hardy

Zazie no metrô, de Raymond Queneau

Ficciones, de Jorge Luis Borges

I capture the castle, de Dodie Smith

Mansfield Park, de Jane Austen

Call the midwife, de Jennifer Worth

Cândido, de Voltaire

Só para fumantes, de Julio Ramón Ribeyro

Fantasmas na biblioteca, de Jacques Bonnet

La otra orilla, de Julio Cortázar

Micróbios, de Diego Vecchio

Go set a watchman, de Harper Lee
(A ser lançado no Brasil como Vá, coloque um vigia)

Meus documentos, de Alejandro Zambra

O cão que guarda as estrelas, de Takashi Murakami

Os trabalhadores do mar, de Victor Hugo

A bela Helena, de Miriam Mambrini

Faça boa arte, de Neil Gaiman

A vendedora de fósforos, de Adriana Lunardi

84, Charing Cross Road / The Duchess of Bloomsbury Street, de Helene Hanff (Nunca te vi, sempre te amei)

Militärmusik, de Wladimir Kaminer

Grande irmão, de Lionel Shriver

O vermelho e o negro, de Stendhal

Sombras de reis barbudos, de José J. Veiga

Orlando, de Virginia Woolf

Do inferno, de Alan Moore

Diante da dor dos outros, de Susan Sontag

Como falar dos livros que não lemos?, de Pierre Bayard

Frankenstein, de Mary Shelley

Fun home, de Alison Bechdel

O filho da mãe, de Bernardo Carvalho

Antes do baile verde, de Lygia Fagundes Telles

I know why the caged bird sings, de Maya Angelou

Susan Sontag: entrevista completa para a revista Rolling Stone, de Jonathan Cott

Só garotos, de Patti Smith

Adeus, tristeza, de Belle Yang

Andróides sonham com ovelhas elétricas?, de Philip K. Dick

Frango com ameixas, de Marjane Satrapi

Kokoro, de Natsume Soseki

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *